Filmes & Séries

Eu me rendi ao Skam

24 de maio de 2018

Eu entrei em uma pira de que eu não estava (ou estou?) me esforçando o suficiente pra aprender norueguês. Eu tive um progresso gigantesco desde o começo desse ano mas ainda assim achei que eu poderia incluir o idioma em mais coisas do meu dia a dia. Eu estava assistindo a alguns vídeos sobre a norskprøve (exame nacional de proficiência em norueguês) e um dos tópicos levantados para quem quer atingir um nível mais alto no idioma era de que precisamos fazer mais do que só estudar dentro de sala e conversar com os amigos, é preciso assistir às notícias, filmes, séries, ler artigos, revistas, jornais, entrar de cabeça na cultura norueguesa e foi aí que eu pensei: é isso!

Eu senti, e ainda sinto, uma necessidade absurda de aprender expressões em norueguês. Infelizmente, em sala de aula isso não é ensinado. De vez em quando o professor até ensina uma ou outra, mas só se alguém pergunta, então eu perguntei pro Thomas se ele sabia de alguma série (que é a coisa que eu mais amo fazer no meu tempo livre) em norueguês que eu poderia assistir e aprender expressões que são usadas diariamente pelas pessoas. No começo eu nem considerei assistir Skam, por puro preconceito mesmo. Desde que eu me mudei pra cá, e até um pouco antes disso, todos sempre me falaram que a série era “inútil” e eu não poderia extrair nada dela. Mas, depois de passar um tempão olhando o catálogo da NRK, eu e Thomas chegamos à conclusão que pro que eu queria, Skam era perfeita.

E eu me rendi, comecei a assistir um episódio e acabei me apegando à ela. Pra quem não sabe sobre o que eu estou falando, Skam é uma série norueguesa que retrata a vida de adolescentes de um subúrbio de Oslo. Adolescentes entre 16 e 18 anos, que estão no Videregående (Ensino Médio). Skam, em norueguês, significa vergonha, então você já deve imaginar mais ou menos do que se trata né? Quando eu comecei a assistir, eu estava esperando drama, muito drama adolescente. E no fim das contas acabei me surpreendendo com os assuntos abordados pela série.

Cada temporada é focada em um personagem. Eles abordam assuntos super importantes como sexualidade, relacionamento abusivo, depressão, bipolaridade, estupro e também aspectos da cultura norueguesa, como por exemplo, o 17 de maio, o que é ser um Russ, ir para a hytta (cabana na montanha) na páscoa, as pré-festas (vors!) e por aí vai. É bem legal pra conhecer um pouco de como os noruegueses vivem, conhecer um pouco de Oslo e também claro, aprender norueguês, que foi o meu objetivo principal.

Na primeira temporada, eu precisei pausar os três primeiros episódios algumas vezes e perguntar pro Thomas o que algumas palavras significavam. Sem eu nem perceber eu já estava mergulhando em muitas expressões que os jovens usam diariamente, além de começar a acostumar o meu ouvido à forma como eles pronunciam as palavras, as vezes encurtando algumas delas ou colocando a intonação de uma forma bem peculiar nas frases. Da metade da primeira temporada pro fim, com a repetição de palavras e expressões, eu já estava entendendo tudinho sem precisar pausar mais pra procurar algo específico. Em três dias eu já tinha completado as 4 temporadas (sim, eu viciei) e fiquei bem satisfeita com o meu “desempenho” ao assistir uma série totalmente em norueguês, ah e com legenda em norueguês também (claro!).

No mais, eu super indico pra quem está aprendendo o idioma. É uma forma de se familiarizar com ele, aprender expressões e também um pouco sobre alguns pontos da cultura norueguesa. É uma ótima forma de treinar o ouvido e aprender palavras novas. Independente do que as pessoas falem sobre a série, de ser apenas um drama adolescente, é uma ótima oportunidade de entrar de cabeça no entretenimento norueguês. Estou pra começar mais uma série no idioma, vai ser mais difícil mas depois eu volto aqui e compartilho com vocês o que eu achei e como foi a experiência. 😉

Posts Relacionaods

Comentários

Deixe um comentário