Vida de Imigrante

Vaidade: como eu cuido de mim na Noruega

31 de julho de 2018

Eu decidi que quero simplificar a minha vida ao máximo aqui na Noruega, pelo simples motivo de que aqui os serviços são extremamente caros, e na minha condição financeira atual (desde que me mudei, na verdade), é impraticável pagar para ter certos tipos de luxos que são bem comuns lá no Brasil.

Inspirada pela decisão de comprar uma máquina de depilação a laser para fazer em casa (é sério, hahaha), eu resolvi fazer esse post para compartilhar com outras mulheres que acabaram de chegar ou pensam em se mudar para a Noruega em breve, como é a (minha) realidade com a vaidade por aqui.

É claro que isso depende muito do estilo de vida de pessoa pra pessoa. Já no Brasil, eu não tinha o costume de ir ao salão toda semana, coisa que sei ser comum para muitas mulheres, seja pra fazer as unhas ou uma escova pro fim de semana. Eu posso dizer que ia com uma certa frequência, cortava o cabelo de 3 a 4 vezes ao ano, sempre tingi o cabelo no salão também (imagina pintar o cabelo de preto azulado em casa?!) e quando ia fazer esse tipo de serviço, eu já aproveitava pra fazer as unhas do pé e da mão. Outra coisa que eu sempre fiz questão de fazer com um profissional foi depilação com cera. Eu tenho muita alergia a gilete (a minha pele é ultra sensível), então uma vez por mês eu estava lá no salão fazendo o serviço completo também.

Sempre achei o preço justo, talvez por eu sempre ir a salões de bairro, e por isso sempre valorizei esse tipo de serviço. Desde que me mudei, comecei a valorizá-los ainda mais por dois motivos: 1) dá muito trabalho e 2) é muito caro. O fato é que aqui na Noruega todo e qualquer serviço é muito valorizado, a gente paga mais pela mão de obra do que pelo serviço em si. Quando eu estava me planejando para me mudar pra Noruega, lá no fim de 2016, eu já sabia disso e estava disposta a fazer todo e qualquer serviço que eu achava que era capaz de fazer sozinha, em casa.

E foi o que eu fiz até agora, um ano e meio depois, mais ou menos. A única excessão foi corte de cabelo, que eu realmente não tenho o mínimo talento. Eu tenho muito cabelo, então preciso de um profissional que saiba o que esteja fazendo. No começo, eu fazia as minhas unhas com uma certa frequência, mas, como tive diversos problemas com a minha alimentação e isso provocou uma deficiência enorme de certas vitaminas no meu corpo, as minhas unhas quebraram (e ainda quebram) muito. Eu tomei um complexo vitamínico para resolver esse problema por um certo tempo, e deu resultado, mas desde então eu simplesmente desapeguei de ter as unhas sempre pintadas. E devo dizer que por aqui é mais normal ver mulheres sem as mãos feitas, do que o contrário. Acho que fui influenciada, haha.

Eu também me preparei para fazer depilação com cera quente em mim mesma. O problema não é a dor e nem nada do tipo, mas o trabalhão que dá. Eu trouxe um arsenal de produtos e aparatos pra fazer em casa, e de alguns meses pra cá eu tenho ficado de saco cheio de tudo. Demora muito pra esquentar e derreter a cera, eu não tenho um lugar com uma luz boa na frente do espelho pra fazer o serviço de forma rápida e eficaz, o meu aparelho roll-on é bivolt, mas aparentemente a voltagem aqui é ainda mais potente e o plástico que tinha em volta dele, já deu uma boa derretida. Enfim, foi bom porque eu aprendi a fazer isso tudo em mim e o resultado sempre foi bom, mas ao mesmo tempo não acho que o tempo que eu gasto fazendo tudo isso seja recompensado com o tanto de tempo que ele dura em mim. Deu pra entender? Por isso vou investir em uma solução um pouco mais duradoura, onde posso ter um bom resultado em casa também, mas que vai durar mais tempo, que é um depilador a luz pulsada. Estou em tratamento ainda e não sei dizer se dá ou não resultado, mas por enquanto, já gostei porque em 25min eu faço o serviço completo no corpo todo.

Outra coisa que eu também faço em casa é tingir os cabelos. Eu pinto o cabelo de preto azulado (as vezes só preto mesmo) desde os meus quatorze anos. Ou seja, eu passei mais da metade da minha vida de cabelo preto, já é parte de mim e eu não consigo me ver mais sem essa cor de cabelo. Como comentei lá em cima, eu fazia sempre no salão enquanto morava no Brasil, por causa de todo o transtorno que é lidar com a tintura preta azulada em casa, e aqui na Noruega precisei rever meus conceitos sobre o assunto e me aventurar nisso também. Devo dizer que tenho melhorado a cada vez, eu comprei diversos produtos que profissionais usam no Brasil (como produtos que ajudam a limpar e evitam manchar a pele) que me ajudam muito no processo, mas ainda assim é um desafio não terminar o processo parecendo um smurf e deixando o banheiro todo azul, também.

O clima aqui na Noruega é bem seco. A minha pele, no Brasil, era normal na maior parte do ano e quando estávamos no pico do verão, ficava oleosa em alguns pontos. Desde que me mudei pra cá, percebi que ela tem ficado bem seca, independente da época do ano. Então eu acabei tomando alguns cuidados e criando uma rotina diária para a minha pele. No banho, eu lavo o rosto todos os dias com um sabonete especial para pele sensível e uso um esfoliante duas vezes por semana. Saindo do banho, passo um tônico todos os dias para limpar bem e aplico um hidratante bem potente. Tentei vários e o meu favorito é a loção em gel da Clinique. É leve, tem o toque seco ao mesmo tempo que hidrata bem a minha pele. Se eu deixar de passar esse produto por alguns dias, mesmo que no verão, já é possível ver pele ressecada e descascando do meu rosto.

Voltando um pouco sobre os cabelos, falando ainda do clima e de como isso influencia a minha pele, o meu cabelo também foi influenciado pelo mesmo. No Brasil, era oleoso e aqui ficou normal. Eu acabei achando essa mudança positiva pois me deixa mais livre para lavar o cabelo dia sim dia não, ou até com dois dias de intervalo. A água daqui também fez um bem danado pro mesmo. Eu atualmente só seco com um secador e deixo-o natural em 90% dos dias.

E pra concluir esse post que já está enorme, devo dizer que acho que esse lance todo de vaidade por aqui é bem menos levado à sério do que no Brasil. Aqui, eu percebi que as pessoas tentam ter a vida o mais prática possível, principalmente nessa questão toda de gastar dinheiro com serviços de beleza. De fato, é mais vantajoso investir em produtos que deixam sua vida mais fácil no dia a dia do que ter um compromisso todos os fins de semana de ir ao salão de beleza.

Posts Relacionaods

Comentários

  • Responder Carol 31 de julho de 2018 at 17:55

    É incrível como se gasta tanto dinheiro com esse tipo de coisas no Brasil mesmo. Eu também fazia tudo em salão antes de morar fora. Quando fui morar na Suíça em 2010 tive que aprender a fazer tudo sozinha. Realmente, a depilação era a pior parte hahahaha que dor nas costas que dava!!! Mas eu usava cera quente que era de esquentar no microondas, era bem prática e super boa. Comprava na Suíça mesmo.
    Pintar o cabelo e fazer mãos e pés foram coisas que eu nunca mais deixei de fazer em casa, mesmo depois de voltar pro Brasil. Eu também pinto de preto azulado e morria de medo de sujar tudo e me pintar inteira haha mas com a prática, tudo ficou sob controle e eu faço melhor do que faziam pra mim no salão 😛

    Como morar fora faz bem pra tudo, né? De autosuficiência até melhorar os gastos do dia a dia!

    • Responder Stephanie 2 de agosto de 2018 at 06:46

      A gente se surpreende como é capaz de fazer as coisas quando precisa né? Eu acho que o fato de não rolar uma super pressão da sociedade para estarmos sempre lindas e arrumadas, como é no Brasil, facilita muito essa questão de fazer só o que achamos necessário pra nós mesmas, sem pensar muito no que os outros vão pensar. Eu amo o fato de que ninguém comenta praticamente nada sobre esse assunto por aqui.

    Deixe um comentário